[luzes.org] Quanto tempo depois de concretada a calçada um carro pode passar nela? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Gerenciamento de obras
Artigo mais recente (veja mais 14 artigos nesta área)

Quanto tempo depois de concretada a calçada um carro pode passar nela?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos equipe

As calçadas, passeios e vias concretadas por onde passam veículos precisam ser refeitas constantemente. Estes elementos construtivos são muito solicitados pois, além do peso dos veículos, sofrem com as intempéries, lavagens freqüentes e movimentações naturais do solo e da vegetação. É comum as árvores levantarem um calçamento, dando brecha para a entrada de água e conseqüente enfraquecimento do substrato que fornece apoio ao calçamento, acelerando o processo de desgaste.

Quando estes calçamentos de concreto são refeitos, é preciso impedir que os veículos passem por cima enquanto o concreto está sendo curado. Como se sabe, o concreto só adquire resistência à medida em que é feito este processo de cura, onde a resistência vai de 0 (durante a concretagem) até o valor que se usa nos cálculos de estabilidade, o que só se dá aos 28 dias. Depois disso o concreto continua endurecendo, mas o que se utiliza nos cálculos é a resistência aos 28 dias, chamado de “Fck” na literatura técnica.

Mas não é preciso esperar todo este tempo até liberar o tráfego de veículos numa calçada de concreto recém feita. Se o tráfego for liberado logo depois que o concreto foi lançado e iniciou a cura, o peso dos veículos vai esfacelar o concreto e, mesmo que invisíveis, criar micro fissuras por onde vai entrar água ajudando a diminuir a vida útil do componente. É preciso, então, esperar um prazo tal que o concreto já tenha resistência suficiente para suportar o peso dos veículos, que será transmitido ao calçamento através dos pneus. Mas como saber quantos dias precisamos esperar? Basta fazer uns cálculos.

Calculando a carga causada pelos pneus de um veículo

Carros maiores e mais pesados normalmente usam pneus igualmente mais pesados e mais largos. Assim, tomemos o caso de um veículo popular, como um Fiat Uno, e de um carro maior, uma pickup Ford F-100 e vejamos um cálculo aproximado.

No caso do Fiat Uno, o veículo pesa 895 Kg e tem uma capacidade de carga de 400 Kg que, em sua maior parte, vai incidir no eixo traseiro. Assim, para facilitar os cálculos, suponhamos que o eixo traseiro vai suportar metade do peso do veículo mais a carga. Temos, portanto, um peso de 400 Kg + 895/2 = 846 Kg. Este peso será descarregado sobre os dois pneus traseiros, que no caso do Uno, tem as medidas 165/70 R13. Isto significa que o pneu tem 165 mm de largura e deve assentar no piso numa medida aproximadamente igual a esta, ou seja, 16,5 cm. Como são dois pneus no eixo traseiro temos, portanto, uma área de apoio de 16,5 x 16,5 x 2 = 545 cm² e um esforço sobre o piso de 846 / 545 = 1,6 Kg/cm².

Vejamos agora o caso de uma pickup bem comum, a pickup Chevrolet S10. O veículo pesa 1.800 Kg e tem uma capacidade de carga de 1.000 Kg que também, em sua maior parte, vai incidir no eixo traseiro. Assim, para novamente para facilitar os cálculos, suponhamos que o eixo traseiro vai suportar metade do peso do veículo mais a carga. Temos, portanto, um peso de 900 Kg + 1.000/2 = 1.400 Kg. Este peso será descarregado sobre os dois pneus traseiros, que no caso da S10, tem as medidas 235/70 R16 . Isto significa que o pneu tem 235 mm de largura e deve assentar no piso numa medida aproximadamente igual a esta, ou seja, 23,5 cm. Com também são dois pneus no eixo traseiro temos, portanto, uma área de apoio de 23,5 x 23,5 x 2 = 1100 cm² e um esforço sobre o piso de 1400 / 1100 = 1,3 Kg/cm².

Adotemos, então, uma carga média de 1,5 Kg/cm² e extrapolemos este valor para os demais veículos. Resta saber, portanto, quanto tempo de vida o concreto precisa ter para atingir esta resistência.

Calculando a resistência do concreto usado nas calçadas

Logo que o cimento do concreto entra em contato com a água começa uma reação química que vai resultar no endurecimento do concreto. Nas primeiras 2 a 3 horas o cimento entra no chamado estado de “pega”, onde ele tem a plasticidade necessária para movimentar-se de maneira a ser moldado de acordo com as necessidades. Depois deste tempo o concreto endurece ao contato, iniciando-se então o processo chamado de “cura”, onde ele já não é mais moldável mas ainda não atingiu a resistência que dele se espera. Conforme dissemos, esta resistência plena só é atingida aos 28 dias, para efeito de cálculo. Entretanto, sabe-se por ensaios em laboratório que ao 3 dias de idade o concreto já tem cerca de 40% da resistência e aos 7 dias atinge 65% da resistência Fck esperada.

Um traço típico dos concretos usados em calçamentos é o Fck 150 (ou FC 15), significando que aos 28 dias depois de aplicado ele terá, estatisticamente, uma resistência de pelo menos 150 Kg/cm². Examinando as tabelas de cura de concreto verificamos que aos 3 dias de idade este concreto já tem, pelo menos, 1/3 da resistência que terá aos 28 dias. Portanto, este mesmo concreto terá uma resistência de 150 x 0,33 = 50 Kg/cm² e, portanto, já poderá facilmente resistir ao peso de um veículo sobre ele. Se fizermos uma extrapolação, veremos que logo no primeiro dia o concreto já teria uma resistência de 1/3 disto, ou seja, 17 Kg/cm² o que já seria mais do que suficiente para suportar os 1,6 Kg/cm² causados pelo tráfego dos veículos que consideramos.

Entretanto, antes dos 3 dias de idade um concreto se esfacela facilmente, e isto seria fácil de acontecer com o tráfego de veículos. Bastaria uma pequena pedra para causar o esfacelamento de uma parte do concreto novo e danificar um bom pedaço da calçada nova. Assim, um prazo de 3 dias seria suficiente para liberar o tráfego de veículos, mas com uma certa precaução, tomando cuidado para manter o pavimento sempre livre de detritos que possam comprometer a cura do concreto.

Publicado em 24/01/2008 às 19:00 hs, atualizado em 01/07/2016 às 10:48 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 14 ARTIGOS SOBRE :
A importância do Habite-se
Alcoolismo no canteiro de obras é perigo iminente
Obra parada, resultado da falta de planejamento e de administração
Reforma de casas antigas: substituição de forro de estuque atacado por umidade e cupins
Reforma de casa ou apartamento requer planejamento, bons profissionais e diplomacia
Será que o Custo Unitário Básico (CUB) serve realmente para orçar uma construção?
Critérios de medição em obra
Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço
Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis
Concreto Usinado - Dicas para a Compra
Areia para construção civil: como comprar e como usar
Pedra (agregado graúdo) para construção – escolhendo e usando
Otimizando o uso de brita no concreto: o Teste da Lata
Melhorando a qualidade do concreto feito em obra

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Arquitetura e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.