[luzes.org] Melhore a sua aparência física 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo (veja mais 11 artigos nesta área)

Melhore a sua aparência física

Quando alguém olha para nós, a primeira coisa que ela vê, é a nossa aparência física, que também é a forma de nos apresentarmos ao mundo exterior. Muito antes de se aperceberem das nossas qualidades e defeitos, as pessoas julgam-nos com base na nossa aparência.

Quer queira quer não, a forma como parecemos é um reflexo da nossa vida interior; porque, apesar de não termos culpa das características físicas que herdamos, modificamos ela, inconscientemente, de acordo com a nossa personalidade ao longo da vida.

Se você não se sente à vontade na presença de outras pessoas. Se e extremamente tímido, é porque, de certa forma, não se sente bem consigo mesmo.

Acha a sua aparência física desagradável, algo que o envergonha.
Ao falar de aparência física, não me refiro apenas à forma do seu rosto, ou ao seu corte de cabelo, mas também a coisas como a sua voz, a forma como olha para os outros, o seu porte, a maneira de se vestir, etc.

Se não se sente bem consigo mesmo, é porque não gosta de um ou mais destes elementos e criou um complexo em relação a eles. Enquanto não o fizer eles continuarão a prejudicar o seu progresso e a impedir que atinja a sua plena potencialidade.

A solução é mais simples do que imagina!
Sabe que o seu corpo tem a sua própria linguagem????
Ele conhece você desde a sua adolescência, como quando a forma como alguém olhava para você, lhe piscava, sorria, isso indicava que estava interessado em entrar em contato com você.

Quando queremos convencer alguém, temos a tendência para fazermos mais uso do corpo -- inclinando a cabeça, falando rapidamente, fazendo gestos com as mãos, os braços, etc. Mas, quando temos confiança em nós mesmos, falamos mais lentamente, com menos gestos exagerados.

As pessoas de origem escandinava, alemã ou inglesa usam gestos muito menos freqüentemente enquanto falam. Por outro lado, as pessoas latinas, como todos sabemos, usam gestos para acompanhar praticamente cada palavra que dizem. Quando querem convencer alguém, usam gestos simples e estudados e falam com uma voz forte e calorosa.

Certamente que não vai adquirir a personalidade magnética que tanto deseja se continuar a transmitir mensagens como estas.

A sua intenção era a de impedir o desenvolvimento de uma coluna deformada ou ombros caídos. Mas a má postura pode também ter outras implicações que são igualmente prejudiciais. A postura é também um aspecto da comunicação não verbal que usa quando fala com outras pessoas. Por outro lado, se é uma pessoa introvertida, é provável que seja demasiado comedida nos seus gestos. Neste caso, terá de aprender a libertar um pouco o corpo.

É como se vestisse uma camisa-de-força emocional e física, que tem obrigatoriamente de despedaçar se quer libertar o magnetismo e o encanto pessoal. Controlar os gestos significa automaticamente controlar as emoções, porque os nossos movimentos são um reflexo da forma como nos sentimos.

Você seria capaz de descrever de fazer uma lista dos seus gestos?
Para poder moderá-los ou amplificá-los, é necessário que tome conhecimento deles. Se tem dúvidas, o seguinte teste irá ajudá-lo a classificar metodicamente a forma como se move em várias situações.

Agora tome as qualidades que aparecem três ou mais vezes na sua lista e escreva-as numa folha de papel.
Agora você tem um perfil da forma como move o seu corpo.
Você está preparado para um exercício...
Este exercício te ensinará a ter plena consciência dos seus gestos.

Este é de certa forma um exercício especial, porque pode adaptá-lo a qualquer situação causadora de ansiedade, sempre que sinta instintivamente a necessidade de ter mais autoconfiança. Com certeza você irá enfrentar os seus amigos e colegas calmamente de uma forma serena e convincente. Desta forma, você irá aprender a economizar os seus gestos naturalmente.

Outro conselho para tornar os seus gestos mais confiantes e fluidos: leia um livro sobre etiqueta social. Nesse capítulo, sugerimo-lo como uma maneira de ganhar autoconfiança quando comunica com outras pessoas.

Mas quantos gestos desajeitados acha que são causados pela falta de própria confiança?
Saber exatamente o que fazer e não fazer em determinada situação pode ajudá-lo a dominar os seus gestos, tornando-os mais dóceis e mais estudados. Isto contribuirá para o seu sentido de segurança e torna-lo-á mais autoconfiante.

Como é o seu aperto de mão?
Deve saber que o aperto de mão é um gesto muito importante. É um dos gestos através dos quais as pessoas fazem um juízo imediato sobre alguém. Seria capaz de descrever o seu aperto de mão? (Se não é capaz de o fazer, peça a alguém para o descrever por si).
Alguma vez apertou a mão a alguém que quase lhe esmagou os dedos?
Alguma vez um aperto de mão lhe fez lembrar um peixe -- mole, pegajoso e frio?

Algumas pessoas piscam demasiadamente os olhos, outras franzem as sobrancelhas ou o nariz sem razão ou estão constantemente a morder o lábio, etc. Não existe nada melhor do que se descontrair para se livrar de maneirismos nervosos.

Se estiver sempre a forçar-se a olhar os outros diretamente nos olhos, pode acabar por pôr as outras pessoas pouco à vontade.

Portanto, para saber exatamente que tipo de voz tem, deve fazer uma gravação (usando um gravador de boa qualidade). Pode mandar fitas gravadas aos seus amigos em vez de lhes escrever.

Acabou de fazer o teste de bem-estar físico e verificou que alguma coisa não estava certa na sua relação com o seu corpo. Um dos elementos essenciais do seu encanto pessoal é a sensação de bem-estar. Se não está à vontade com o seu corpo, nunca será capaz de influenciar os outros positivamente através do magnetismo da sua personalidade.

Trabalhe para melhorar os elementos que compõem o seu "encanto", a sua postura, os seus gestos, o seu olhar e a sua voz.

Todos estes elementos podem ser facilmente corrigidos com exercícios especiais. Começará a notar a diferença em apenas algumas semanas. Sem saber muito bem como nem porquê, terá adquirido o "encanto" e o fascínio que lhe faltavam. Terá a impressão de que as suas roupas lhe ficam melhor, os outros irão achá-lo mais atraente, mais aberto, e estará no caminho certo de desenvolver uma relação harmoniosa com o seu corpo.

A confiança é, primeiro que tudo, um reflexo de uma auto-imagem positiva.
Para se ter confiança em si próprio é necessário gostar de si.
Para inspirar confiança aos outros, é necessário aprender a ter confiança em si.
Para convencer os outros, primeiro tem de se convencer a si.

Por que razão as pessoas carismáticas não têm quaisquer problemas em encontrar gente que as siga?
Porque elas estão convencidas de estar a fazer a coisa certa.

Aprendendo a apreciar-se, adotando a atitude de que o êxito é um direito seu, pois você é tão inteligente, competente e cuidadoso como qualquer outro, o potencial do sou êxito aumentará astronomicamente. No entanto, a autoconfiança é extremamente volátil. Aparece e desaparece sem percebermos exatamente porquê, à primeira vista. Note que eu disse "à primeira vista"!

Porque alguns momentos de introspecção são normalmente suficientes para descobrir o mistério que está por detrás do desaparecimento repentino da sua autoconfiança. Quando andava na escola, provavelmente partilhava algumas das suas apreensões sobre os exames com os seus pais e o mais provável é que tenham dito algo parecido com: "Se achas que não consegues, então não vais mesmo conseguir”

Este princípio simples deveria manter-se conosco durante a nossa vida inteira, como se fosse um anjo da guarda. Porque a confiança gera o êxito que, por sua vez, gera mais êxito. Ao perder a confiança, experimentará fracasso após fracasso.

Para adquirir autoconfiança, o gênero que irradia de personalidades magnéticas e que é o ingrediente elementar do carisma, tem de ter perseverança.

Não é tão difícil como parece.
Por exemplo, lembra-se da primeira vez que andou de bicicleta, ou a primeira vez que andou de patins ou esquis?
É natural que tremesse de medo, tal como a maioria das pessoas.

No entanto, agora, andar de bicicleta, patina ou faz esqui, parece-lhe a coisa mais natural do mundo.

Após ter finalmente dominado o mistério de avançar lentamente em primeira velocidade, com os dentes rangendo e o suor a cair-lhe da testa, aprendeu a manobrar no meio do transito, a estacionar, a arrancar numa subida e aí por diante.

No entanto, hoje conduz quase mecanicamente sem problemas!
Tem plena confiança na sua capacidade como condutor e o êxito vem-lhe automaticamente. Vai seguir um método progressivo que consiste em duas partes, cada uma destas subdividida em inúmeros passos.

Primeiro, irá aprender a reconhecer o seu próprio valor e a manter a consciência disso. Em seguida, aprenderá a auto-afirmar-se, isto é, a aplicação prática da sua nova autoconfiança, no dia-a-dia.

Numere metodicamente os seus pontos fortes, tal como as ocasiões em que os utilizou positivamente.
• Em que áreas possui capacidades especiais?
Estas poderão ser capacidades profissionais, de passatempos, desportivas, etc.
• Que coisas tangíveis conseguiu realizar (êxito académico ou profissional, criar filhos, um bom casamento, êxito na vida pessoal, no desporto, etc.)?
• Em que ocasiões teve o prazer de experimentar o êxito?
Procure pela sua memória, indo o mais para trás possível, até à sua infância.
• O que é que as pessoas que conhece apreciam em si?

No que respeita a autoconfiança, é tão importante saber coleccionar selos como mudar uma vela no seu carro ou saber manter um bom ambiente familiar.

Leia e releia a sua lista de êxitos.

Até as pessoas mais carismáticas fracassam de vez em quando. Mas, ao contrário destas, a nossa reação ao fracasso pode ser catastrófica. Muitos ficam a pensar sobre os obstáculos e as desilusões e acabam por se deixar dominar por eles durante a vida inteira.

Todos apreciam a sua atitude otimista e muitos, naturalmente, o invejam por isso.

Não se preocupe, não é porque o seu estado psíquico se deteriorou, mas simplesmente porque, ao acostumar-se a escrever os seus pensamentos negativos, tomará mais consciência deles e poucos escapam à sua detecção.

Concentrem-se exclusivamente nos pensamentos positivos e tome nota no seu bloco de notas ao lado da respectiva data em que os teve.
Por exemplo, algumas pessoas sentem-se mal por terem fracassado com os seus filhos, por não os terem encorajado a obterem uma boa educação, porque os seus filhos preferiam passar o tempo na praia a praticar windsurfe em vez de irem para o colégio.

Faça-o cerimoniosamente, como se estivesse a executar um ritual simbólico extremamente importante.

Primeiro, tenha a certeza de evitar qualquer demonstração de insatisfação, tais como suspiros, gritos, lágrimas, etc. Dizer não, não significa que tem de bater com o punho na mesa com toda a força. O que precisa é de ser firme.

Aqui tem algumas regras: em breve perceberá o quanto são eficazes.
Ouça o pedido com atenção e leve tempo para pensar antes de responder.
Por exemplo, se alguém telefonar a pedir-lhe que vá às compras com ele e você não tem a certeza de lhe apetecer, poderá responder delicadamente: "Terei de pensar nisso, volto a telefonar dentro de uns minutos."
Não dê justificações, nem pretextos inventados que pode esquecer, nem mentiras que só complicarão a sua vida.
Diga o que tem a dizer com tacto e consideração.
Recusar algo a alguém não significa atacá-lo até à morte.
"Não me apetece ir, será uma perda completa de tempo".
Não caia no erro de discutir, especialmente quando a outra pessoa se torna agressiva.
Mantenha a calma e faça um sorriso.
Estas são as suas melhores armas contra aqueles que fazem de conta que estão chocados com a sua recusa repentina de não ceder aos desejos deles.
Evite entrar em discussões acerca da razão que o levou a recusar.
O seu marido (ou a sua mulher) chega a casa do trabalho e avisa-a de que convidou um colega para jantar no sábado. Ele sabe o quanto você estava com vontade de sair no sábado, para ir ao cinema ou ao teatro, portanto vai tentar fazê-la mudar de idéias.
Se tiver mesmo vontade de ir ao cinema ou ao teatro, então não existe qualquer razão para não ir.
Não se deixe envolver numa longa discussão, que poderá levar a uma briga, durante a qual o mais provável é dizerem-se coisas de que irão arrepender-se.
Simplesmente repita delicada e calmamente o seu desejo de sair nessa noite.
O seu marido pode muito bem receber os convidados sozinho. Ele terá de dar uma explicação para a minha ausência." Esse é um problema dele e não seu.
Não há razão nenhuma para inventar uma desculpa porque disse que não a alguém. Ao dar uma desculpa, coloca-se numa posição inferior, revela o seu receio e dá a impressão à outra pessoa de que é possível quebrar as suas defesas e fazê-lo mudar de idéias. Seguir-se-á uma discussão e provavelmente acabará por dizer sim, só para ter um pouco de paz e sossego. Eis boas notícias: de acordo com especialistas, o primeiro "não" é o mais difícil.
Quando se aperceber de que não causou nenhum desastre cataclísmico, então será mais fácil dizer não uma segunda vez. Por que razão se tem de pedir?
Porque afirmar-se requer mais do que responder negativamente.
Todos gostam de dar, pois dar faz crescer o ego, faz-nos sentir melhores e cria um sentimento profundo de satisfação. Mas se não se pede nada, corre-se o risco de se ser passado para trás. Os outros nem sempre podem adivinhar aquilo que se espera deles. Nem têm a obrigação de tentar perceber o que o outro pretende.

Até o seu marido, os seus pais e os seus amigos mais próximos, não podem saber exatamente o que se passa na sua cabeça no momento preciso em que deseja algo. Os seus amigos e familiares terão muito gosto em fazer uma surpresa para si!

Por outro lado, se está sempre a dizer que os aniversários não têm qualquer significado para si, que deixou de contar os anos, etc., então não se surpreenda se o seu marido se esquecer de lhe dar um presente.
Imaginemos que existe uma vaga no seu emprego que lhe interessa muito. Não fique à espera de que lha ofereçam. Vá falar com o seu superior e diga-lhe aquilo que pretende. Explique como faria esse trabalho e por que razão se sente habilitado para o fazer.

Talvez o auto-sacrifício e a modéstia sejam virtudes cristãs, mas pode ter a certeza de que não foi isso que deu a coroa a Napoleão nem o que permitiu a Ronald Reagan governar durante dois mandatos na Casa Branca.

Quais as decisões que acha mais difíceis de tomar?
Existem maneiras de dizer não sem magoar - - tem de ser diplomático e sensível e, ao mesmo tempo, firme e direto.

Mas a autoconfiança também tem o seu lado positivo: saber pedir.



Publicado em 11/03/2009 às 10:25 hs, atualizado em 04/09/2012 às 17:40 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 11 ARTIGOS SOBRE :
Divã on-line
Psicoterapia na Terceira Idade
Inteligência Emocional pode ser a chave para o sucesso
Carência afetiva - Inimiga número um do nosso crescimento
Quem sou eu, e como posso sentir-me bem comigo mesmo?
Onde estão os problemas: dentro ou fora de você?
Relacionamento entre Pais e Filhos
Largue o papel de vítima!
Como desenvolver a auto-confiança
O que você quer para você?
Nossa auto imagem

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Psicologia e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.