[luzes.org] Forro de estuque tem amianto? Como demolir e descartar sem prejudicar a saúde das pessoas? 
Professor Iberê
Arquiteto, Psicanalista e escritor
Publicações • Cursos • Eventos • Artigos
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem sou? | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas técnicas  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo (veja mais 42 artigos nesta área)

Forro de estuque tem amianto? Como demolir e descartar sem prejudicar a saúde das pessoas?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos e equipe

O leitor possivelmente está confundindo formação de poeira com o uso do amianto nos materiais de construção. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, a precaução em relação ao uso do amianto vem do fato dele supostamente ser cancerígeno. Isto já se mostrou verdadeiro no caso de quem trabalha nas fábricas que usam este material, mas até onde sei não se provou coisa alguma em relação à quem trabalha nas obras. A poeira gerada pela remoção dos antigos forros de estuque ou de madeira deve-se ao acúmulo de poeira em cima destes locais, ao longo das décadas, que se junta à própria poeira da demolição do estuque, que era feito com cal e areia bem fina. Mas não é algo que assuste quem está acostumado a trabalhar em obras de reforma. Basta usar uma máscara e o trabalhador estará resguardado contra alergias e outros problemas respiratórios.

Os fabricantes e defensores do uso do amianto dizem que o amianto crisotila (amianto branco) não foi o responsável pelo câncer de vários trabalhadores no passado, mas sim o amianto do tipo anfibólio (que é proibido no Brasil). Dizem que a biopersistência (tempo de permanência das fibras no pulmão antes de serem eliminadas) da crisotila é completamente diferente da apresentada pelos anfibólios, sendo que as fibras destes últimos possuem significativa permanência, enquanto a crisotila é rapidamente eliminada do pulmão. No passado, como não havia informações suficientes, os trabalhadores ficavam totalmente expostos a essas fibras, mas hoje há leis que regulamentam a extração, industrialização, utilização, comercialização e transporte com segurança.

De qualquer forma, o amianto não era usado na época em que a casa do leitor foi construida. Os forros de estuque eram feitos de areia fina e cal, além de um pouco de gesso ou cimento. Esta argamassa era aplicada sobre uma tela de arame (também chamada de “deployé”) fixada com pregos numa trama de madeira (veja figura ao lado, que mostra um forro de estuque que cedeu e desmoronou). Mesmo sem amianto, a poeira gerada vai ser grande. Pode-se molhar o forro por cima antes da derrubada, para dar uma aliviada, mas prepare-se porque vai sujar bastante e gerar várias caçambas de entulho.

Publicado em 05/03/2008 às 11:20 hs, atualizado em 03/04/2018 às 17:38 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 42 ARTIGOS SOBRE :
Numa construção ou reforma, de quem é a responsabilidade pelos encargos trabalhistas? Do proprietário ou do empreiteiro?
Como usar o CUB para estimar valor de reforma de apartamento
Quanto cobrar num projeto de reforma de uma edificação?
Quanto um profissional liberal deve cobrar pelo deslocamento com automóvel próprio para fazer um atendimento a cliente?
O que o contrato com empreiteiro de uma obra tem a ver com o imposto de renda sobre lucro imobiliário
Em nome de quem devem ser tiradas as notas fiscais de uma construção? Em nome do proprietário ou do engenheiro?
O que devo fazer numa visita técnica a uma construção que estou fiscalizando?
Qual é a forma mais barata de fazer a reforma de uma casa?
Quando se pode derrubar uma parede sem prejudicar a segurança do prédio?
Diferença entre área útil, comum e total em um edifício comercial
Quanto tempo depois de concretada a calçada um carro pode passar nela?
A importância do Habite-se (auto de conclusão de obra)
A importância do contrapiso para a colocação de pisos vinílicos
Tubos e conexões PPR para água quente: economia e praticidade na substituição ao cobre
Obra parada, resultado da falta de planejamento e de administração
Reforma de casas antigas: substituição de forro de estuque atacado por umidade e cupins
Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT
Evitando problemas durante pintura de imóvel
Procedimentos e cuidados na execução de alvenaria
Orientações e cuidados para revestimento de piso com pedras naturais
Reforma de casa ou apartamento requer planejamento, bons profissionais e diplomacia
A importância do ar condicionado na construção: muito além do ar fresco
Cobre valorizado no mercado internacional afeta Brasil e incentiva roubo de condutores elétricos e de cargas
Cal hidratada nas argamassas
Critérios de medição em obra
Alvenaria com tijolos comuns
Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço
Tipos de tijolo para alvenaria e suas características
Tubos em PPR, boa alternativa ao cobre nas tubulações de água quente
Conexão à rede pública de esgoto e o controle de roedores
Dúvidas Mais Freqüentes no uso de Tubos de PVC
Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis
Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila
Verniz ou stain: qual é a melhor opção de acabamento para madeira aparente?
Concreto Usinado - Dicas para a Compra
Areia para construção civil: como comprar e como usar
Pedra (agregado graúdo) para construção – escolhendo e usando
Otimizando o uso de brita no concreto: o Teste da Lata
Melhorando a qualidade do concreto feito em obra
O que é alvenaria estrutural?
Bacias sanitárias e o consumo de água
As dificuldades no reuso de materiais de construção

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Iberê M. Campos e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.